PARTICIPANTES

Convidados

 

É escritor, angoleiro e historiador. Integrou grupos de dança, teatro e capoeira, como o Teatro Popular Solano Trindade, em Embu das Artes, o Grupo Cupuaçu – Danças e Tradições Afromaranhenses, o Grupo de Dança Afrocontemporânea Aluvayê e o Núcleo de Consciência Negra da ECA-USP. Doutorando na USP, estuda imaginário, cotidiano e ancestralidade negra em São Paulo. Publicou seis obras literárias, entre elas, “Reza de mãe”, pela editora Nós em 2017.


Graduado em Comunicação Social e Ciências Sociais. Mestre em Educação: História, Política, Sociedade pela PUC-SP, com a dissertação Crítica da educação centrada nas competências socioemocionais. Atou como assistente de pesquisa para o Observatório das Metrópoles da PUC-SP e para o Núcleo de Políticas Públicas da USP. É consultor de projetos de educação e pesquisa.


Desde criança atua voluntariamente como intérprete comunitária e teve como sua primeira língua a Libras. Atualmente cursa Tradução e Interpretação de libras-português na FENEIS (Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos). Estuda licenciatura em Música na UNESP e dedica-se à arte-educação como instrumento de integração entre pessoas sem e com deficiência para que ambos consigam absorver e criar arte com menos barreiras.


Graduada em Letras e licenciada em Pedagogia, especialista em Magistério do Ensino Superior e mestranda em Educação: História, Política, Sociedade pela PUC-SP. Concluiu o curso de Aperfeiçoamento em educação infantil, infâncias e arte na UNIFESP. Supervisora Escolar aposentada da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo, trabalhou como formadora de gestores de educação infantil na Diretoria Regional de Educação.  Foi professora na UNIP de 2007 a 2015.  


É educadora e liderança da Terra Indígena Tenondé Porã, em Parelheiros, região sul da cidade de São Paulo. Formada em Pedagogia Indígena pela USP, realiza atividades dentro e fora da aldeia pelo resgate das tradições guarani e pelo direito legítimo da demarcação da terra indígena. Foi professora e coordenadora na escola estadual Gwyrá Pepó, da aldeia Tenondé Porã. É conhecida como grande referência pela sua comunidade sendo procurada para orientar diversos assuntos, intermediar conflitos, representar seu povo em encontros, fazer conferências, dar entrevistas sobre as atuais questões indígenas e sobre sua experiência como uma das primeiras mulheres a conquistar a posição de liderança guarani. Atualmente trabalha principalmente pelo reconhecimento do trabalho político de mulheres guarani, entre outros diretos. Agricultora de sementes tradicionais, há cinco anos vem recuperando na aldeia Kalipety uma variedade de batata doce guarani – mais de 50 tipos – e outros sete tipos de milho do povo Guarani Mbyá.


Educador, consultor em gestão de conhecimentos e desenvolvimento humano e designer de ambientes pedagógicos. É diretor e consultor da AGENDES (Agência de Desenvolvimento Social), presidente da Moradia Associação Civil que gerencia serviços de acolhimento e desenvolvimento para crianças, adolescentes e famílias em situação de risco e coordenador na Comunidade Cultural Quilombaque. Coordena o Plano de Inclusão em Desenvolvimento Sustentável Local Macro Norte e Noroeste TICP (Território de Interesse da Cultura e da Paisagem). Trata-se de uma tecnologia social inspirada nos círculos de cultura freireana, que tem como objetivo fundamental o enfrentamento da miséria e da violência, sustentado no fortalecimento e desenvolvimento de ativos locais por meio de polos e empreendimentos dinamizadores, mediados e articulados pela cultura, educação, arte e meio ambiente.


Mediador e produtor musical e cultural. Estuda práticas de mediação junto a instituições educacionais, museus e coletivos que voltam atenções para os diálogos restaurativos com foco em negritude e masculinidades. É membro do Coletivo Sistema Negro, dedicado à produção cultural e de conteúdos com vistas para o ativismo antirracista e atualmente desenvolve pesquisas com terapias ayurvédicas e educação musical na infância.  


É ilustrador, designer gráfico e escritor. Identifica-se com temas ambientais, identitários, tradicionais, populares e contemporâneos, sobretudo relacionados à diversidade brasileira. Comunicólogo pela ESPM/USP e pós-graduando em gestão cultural pelo SENAC, é sócio-diretor do Negro Design Studio e ex-conselheiro da Sociedade dos Ilustradores do Brasil (SIB). Desde meados dos anos 90, participa de catálogos e exposições em Bolonha, Bratislava, Frankfurt, Bogotá, Gotamburgo, Moscou, São Petersburgo, Pequim, Xangai, Hanói, México, entre outras cidades. Como autor de texto e/ou imagem, tem livros publicados em português, inglês e francês. Recebeu diversos prêmios, menções e certificados no Brasil, Alemanha, Argentina, China, Coréia do Sul, México e Japão. Ilustrou mais 150 livros e também é escritor e ilustrador de outras 11 obras, sendo que a última é “Colour of people”, publicada pela Little Island Books em 2018. 


Arte-educador e artista, mestre em Educação pelo programa de Educação: História, Política, Sociedade da PUC-SP. Desenvolve pesquisa sobre o acesso escolar a equipamentos públicos de cultura e educação, com ênfase na atuação do terceiro setor. Coordena projetos na área educacional e artística, atuando principalmente em equipamentos culturais públicos e organizações sociais. Atualmente coordena o projeto educativo do Espaço de Convivência do Idoso do Parque da Água Branca. 


É coda (filha de pais surdos). Atua na área de tradução e interpretação profissionalmente há quatro anos. Cursou Tradução e Interpretação de libras-português na FENEIS (Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos) para aperfeiçoar a interpretação e a atuação na área.


 

Equipe Espaço de Leitura

 

É envolvida com práticas de arte e educação desde 2012, trabalhando em diversas instituições culturais e coletivos (Memorial da Inclusão, Bienais de São Paulo, exposições e oficinas em unidades do Sesc). Enquanto mulher com deficiência, busca em sua prática refletir sobre os processos de inclusão com base no movimento social das pessoas com deficiência. Tem como foco abordagens que facilitem a compreensão sobre as barreiras atitudinais junto às práticas de mediação e outras vivências, que envolvem o bordado, a arte e a educação, a identidade, o deslocamento e o corpo. Atualmente, atua como educadora no Espaço de Leitura do Parque da Água Branca.


É mulher, negra, formada em Letras pela USP. Vivenciou diversos campos da arte e da educação. Foi professora em cursinho popular na Zona Norte de São Paulo, jovem monitora no Centro de Culturas Negras do Jabaquara, fez parte de um grupo teatro do oprimido de mulheres negras, atuou com jovens e crianças sendo auxiliar de leitura na Biblioteca da Fábrica de cultura do Jardim São Luís, além de ter sido educadora numa exposição do Sesc em 2018. Sempre buscou pesquisar e atuar em lugares e com temas que tivessem relação de raça e gênero, mais específicamente, a mulher negra. Atualmente, faz parte do bloco afro Ilú Oba de Min, formado por mais de 450 mulheres e constrói um coletivo, Fora da Garrafa, que discute questões de tradições populares, raça e ancestralidade. É educadora do Espaço de Leitura do Parque da Água Branca.


Pessoa trans não binária, performer de rua, estuda movimentação das artes do corpo. Professor de História, busca ampliar a pesquisa de linguagens, estudando dança contemporânea e yoga. Em Porto Alegre, desenvolveu trabalhos de teatro com diversos grupos, especialmente com a Oficina de Ação Direta, da Cambada de Teatro em Ação Direta Levanta Favela. Foi oficineiro de Teatro no Projeto Mais Educação e trabalhou em espaços de educação formal e não formal. Na música, trabalhou em projetos coletivos, que envolviam sua participação com voz, baixo e percussão. A partir de 2018, em São Paulo, iniciou um aprofundamento em estudos sobre infância, pedagogia libertária e questões de gêneros, e hoje atua como educador no Espaço de Leitura, no Parque da Água Branca.


É coordenadora do educativo do Espaço de Leitura. Estudou Artes Visuais na Faculdade de Belas Artes e Letras na USP. Trabalha desde 2004 com educação, arte e literatura em instituições de ensino formal e não formal. Trabalhou no Instituto Tomie Ohtake e na Fundação Bienal de São Paulo. Na cidade de São Paulo, deu aula nas instituições: Escola da Vila, Colégio Alef Peretz, Escola indígena Gwyrá Pepó da aldeia Guarani Mbyá de Tenondé Porã e na Escola Democrática Politeia. Além dos trabalhos institucionais, desenvolve parcerias para escrever livros, ilustrar, organizar exposições, formações e eventos. Participou da gestão de projetos sociais autônomos em diversas áreas na Casa Mafalda. Atualmente, pesquisa educação libertária e participa do Núcleo Traços, Trecos e Trocas, grupo que estuda e desenvolve materiais sobre educação e criatividade.


É educador do Espaço de Leitura, formado em Letras e cursa Pedagogia. Trabalhou no Memorial da América Latina e Fundação Bienal. Como arte-educador desenvolve trabalhos voltados para a fruição artística, principalmente da literatura, e mobilidade social. É especializado em aplicação de oficinas educativas, roteiros pedagógicos, produção de resenhas e mediação de leitura. 


Bibliotecária formada pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Atuou como bibliotecária em equipamentos públicos e especializados. Também trabalhou como educadora no Espaço de Leitura, onde atualmente é coordenadora de acervo.


Poeta, gestora de projetos educativos e culturais e jornalista formada pela Universidade Metodista de São Paulo. Idealizadora e gestora cultural do Espaço de Leitura e diretora do Espaço de Convivência do Idoso e Projeto Intergeracional, no Parque da Água Branca. Foi diretora do Projeto PraLer – Prazeres da Leitura e diretora cultural da Casa das Rosas - Espaço Haroldo de Campo de Poesia e Literatura. É diretora da empresa Abaporé Cultural, por meio da qual desenvolveu projetos no Museu do Futebol, Museu da Casa Brasileira e unidades do Sesc, além de formações para educadores para a Fundação Tide Setubal, Fundação Bunge e Instituto Arte Itaporanga (BA). Foi coordenadora educativa do projeto Cinco anos do Memorial da Inclusão pelos Direitos das Pessoas com Deficiência e da exposição #OCUPASACY, no Sesc Interlagos.